DIREITOS DE AUTORIA

È proibida a reprodução, cedência, difusão , distribuiçã0, armazenagem ou modificação, total ou parcial, por qualquer forma ou meio eletrónico, mecânico ou fotográfico dos conteúdos aqui publicados, sem o autêntico consentimento prévio e expresso da autora. Excetuam-se desta interdição os usos autorizados pela legislação aplicável, nomeadamente o direito de citação, desde que claramente identificada a autoria e a origem, com link respetivo, prática usada neste espaço.
~~~~~~
*** Note que em poesia, o 'sujeito poético ou lírico' não tem que ser o 'sujeito autoral', mesmo que o texto expresse a 1ª pessoa do singular.***

Seguidores

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

~~ O SEU RISO ~~~


                                    ..
       

 ~~ O  SEU  RISO ~~
******************************
 O seu riso tem a frescura
de todas as madrugadas reluzentes,
o som emocionante
de todas as cascatas cristalinas,
de todas as fontes límpidas.
Afaga e delicia
o meu peito amoroso,
enternecido,
cúmplice.

*******

 MajoDutra 

 Pintura de James Lee
... Ernesto Cortazar... Pensando em ti ...

sábado, 26 de outubro de 2019

NOSTALGIA DE OUTONO






O que viu nessa manhã
deixou-a entristecida
repleta de imensa nostalgia:
não encontrou o sol radioso,
não ouviu o canto dos pássaros,
não viu o belo azul do mar
não sentiu a euforia que
 a envolvia há meses.

).(

Na primeira chuva forte
do recente outono,
era impossível não comparar:
tudo via envolvido por luz ténue,
tudo brilhava coberto de água,
tudo escorria desconsolado,
tudo lembrava despedida
ao som do gotejar.

).(

 Era profunda nostalgia
outonal e sentimental
que reconhecia tão bem
 por ser anual e breve.

).(

Ergueu-se com firmeza,
inspirou em profundidade,
decidida a vivenciar tudo
que o destino lhreservava:
nos bons momentos
e nos menos bons.

))))).(((((

 MajoDutra
Pintura de Andrei Belichenko

terça-feira, 22 de outubro de 2019

MOMENTOS DE ESPLENDOR




                                                                    
 Naquele dia                                                       
não foi como habitualmente.                       
 As aves despertaram                                      
 aos primeiros raios de sol                             
 e permaneceram mudas, deslumbradas    
 perante a magnificência                                
   do espetáculo do nascimento do astro-rei. 
    Finalmente soltaram o seu canto                   
    inaugural, veemente, hínico                           
     e empreenderam altos voos de regozijo        
     pelo esplendoroso dia.                                      
***                                                                                                      
    Em terra,                                                             
    as pessoas também emudeceram                  
     ante a beleza raríssima da aurora dourada. 
     A grandiosidade da natureza comoveu-as.  
    Lembrando Deus Criador e mormente        
          suas antigas e ainda duras lutas                          
           para que todos em equidade                                 
         tenham o direito de conquistar                          
          um lugar em pleno sol,                                          
             sentiram-se privilegiadas                                        
           por participarem                                                     
             desses momentos sublimes.                                    
               ***                                                                                                                         
          De certo modo,                                                         
               algo compensadas                                                      
                pela sina de laborarem                                                
              na madrugada.                                                           
                               ******                                                                                                                                     
                 MajoDutra                                                                 
  
 'Nascer do Sol  em Lisboa', pintura de Ivan Aivazovsky

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

EFÉMERO E INTENSO






 

 Chovia como um pranto
 em terno desabafo de outono.
Convidou-me para me abrigar
no seu guarda-chuva
e ficámos, de súbito, juntos
em estreita intimidade
envolvidos por ondas de calor,
aromas muito agradáveis e
hormonas fascinantes
que bailavam em redopio
deleitando-me os sentidos.
Emoções intensas embaladas
pelo urgente bulício citadino
ao som do pingar da chuva.
Aguardámos sinal verde e
atravessámos a avenida.
*
Agradeci e
entrei num café.
Memória longínqua!
Jamais o vi.
 Nunca esqueci.
******
MajoDutra
Pintura de Gustave Caillebotte

segunda-feira, 7 de outubro de 2019

... O AMOR TUDO SUPERA ...

  
...............


~~ O  AMOR  TUDO  SUPERA ~~
...........................

O sarau estava brilhante, encantador, agradável. 
As meninas dedilhavam o piano com habilidade,
Todos sorriam com mais ou menos sinceridade.  
 *
  Eis que seu rosto sorridente iluminou-se divertido. 
 Pensou na reação que teriam se ela o apresentasse:
 Ele não possuía títulos, mas era nobre por índole.   
 *
 Considerava-se uma mulher profundamente feliz   
 Vivendo uma terna e intensa paixão ainda secreta. 
 Seu amor gentil apreciava ofertar-lhe rosas rubras 
  Perfumadas, com poemas, sabia que os apreciava.  
 *  
  Saiu para o rosal e beijou uma rosa-chá  delicada     
       Com a maior devoção, como se beijasse seu amado.      
   Invadida pela magnífica fragrância e puro deleite,    
   Sentiu uma força poderosa, porém muito pacífica.    
 *  
      Com ela,  derrotaria todos os preconceitos tiranos.       
  *******
 MajoDutra 
... Pintura de J William Waterhouse ...
 ............................................
...............................

domingo, 6 de outubro de 2019

~~ O OUTONO NOVO ~~



 *


 Passeando, aprecio o outono novo,
O calor do verão já abrandou,
Vibra rútila luz, leve neblina, ou
O ar límpido e lavado que ora provo.

*

Vou afagando os sentidos e comovo
Meu génio jovial dando um alô
À recente estação que começou.
Sinto pulsar no espaço outro renovo:

*

Novas aves cruzam os altos ares,
Os frutos maturaram nos pomares
Os silos estão plenos de sustentos.

*

Por aqui, a Terra após a criação,
Cumprida a sua mais nobre missão,
Descansa tranquila de seus proventos.

******

MajoDutra
Arte de Vladimir Volegov
   Soneto