DIREITOS DE AUTORIA

È proibida a reprodução, cedência, difusão , distribuiçã0, armazenagem ou modificação, total ou parcial, por qualquer forma ou meio eletrónico, mecânico ou fotográfico dos conteúdos aqui publicados, sem o autêntico consentimento prévio e expresso da autora. Excetuam-se desta interdição os usos autorizados pela legislação aplicável, nomeadamente o direito de citação, desde que claramente identificada a autoria e a origem, com link respetivo, prática usada neste espaço.
~~~~~~
*** Note que em poesia, o 'sujeito poético ou lírico' não tem que ser o 'sujeito autoral', mesmo que o texto expresse a 1ª pessoa do singular.***

Seguidores

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

... JÁ FOI POEMA ...



Foi tão admirada
e, mesmo, venerada!
Possuía beleza invulgar,
uma figura escultural,
porte sereno e distinto,
pele pura e acetinada.
Como Vénus real.
*
De muitos candidatos,
elegeu o seu formoso poeta
que a tratou como sua rainha
adorada e desejada musa.
Viveu a felicidade suprema,
porém, com recursos
bem exíguos.
*
Hoje vive só,
profunda solitude!
Já partiram os amigos
das tertúlias literárias.
Sem vigor, sem sonhos,
sua pensão só permite
uma vida carente.
*
Tanta ausência!
Tem vizinhos bondosos
e seu lenitivo sustentador:
seus amados livros de poemas
encantadores, que inspirou
num tempo glorioso
de deusa terrena.
 ******
MajoDutra
 Pintura de Andrei Belichenko

25 comentários:

  1. Bom dia:- Por vezes acontece uma pessoa ser idolatrada e de repente esquecido
    .
    Cumprimentos poéticos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fiquei sem saber o que pensou do meu poema...
      Cumprimentos, Ricardo.

      Eliminar
  2. Se já foi, Majo... sempre será, ao menos nas lembranças! Belo post e belo vídeo, amiga; obrigado, boa semana!

    ResponderEliminar
  3. Lindo e bem inspirado poema e há de se saber acompanhar as mudanças e fases. Lindo dia! bjs, chica

    ResponderEliminar
  4. Um belo vídeo! Um poema lindo!...Quando já foi.., quase sempre deixa saudades...
    Um abraço.
    Élys.

    ResponderEliminar
  5. Lindo poema, Majo!
    Acho que os poemas tambem tem fases.

    ResponderEliminar
  6. Restam memórias...e talvez esteja agora mais acompanhada...
    Lindo...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  7. Majo... sente_se a tristeza na leitura e a beleza do vídeo!!! Bj

    ResponderEliminar
  8. Um poema carregado de sentimento. Um pouco melancólico!

    Beijos. Boa tarde!

    ResponderEliminar
  9. Uma triste realidade, a luz se apaga no silêncio anônimo, despoesia do esquecimento, reverso dos versos de uma vida.

    Um abraço. Tudo de bom.
    A ARTE DA VIDA. APON HP 💗 Textos para sentir e pensar.

    ResponderEliminar

  10. Belo poema, Majo!
    Coisas da vida, infelizmente, que acontecem com muita
    frequência. O importante é a adaptação e receber
    com carinho o que nos rodeiam nos oferecem com amor.

    Beijo

    Olinda

    ResponderEliminar
  11. O poema parece um novelo imenso. O poema parece continuar depois do poeta, mas - como em tudo- pode haver frustrações e desenlaces.
    O teu poema tem lucidez e beleza, minha amiga. E profunda amargura.
    Gostei imenso.

    Grande e terno abraço.

    ResponderEliminar
  12. Belíssimo poema.
    Bem acompanhado pela nostálgica música.
    Beijo, querida amiga Majo.

    ResponderEliminar
  13. Fantástico poema. Parabéns Maju :))

    Hoje : Tempo incerto numa acalmia que dói

    Bjos
    Votos de uma óptima Quinta - Feira

    ResponderEliminar
  14. Esse belo poema gostei de ler,
    bem como mirar essa bela figura
    não tendo mais criticas a fazer
    a vida só é bela enquanto dura!

    Tenha uma boa noite cara amiga Majo Dutra. Um abraço.

    ResponderEliminar
  15. Olá,
    Antes de mais obrigada pela sua visita.
    Lindíssimo poema, muito prazeroso de ler.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  16. Majo, Até a solidão fica
    linda com Poesia.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderEliminar
  17. Muito bonito obrigado.Abraçosss.

    ResponderEliminar
  18. Uma tradução do medo de amar.
    Um dia as flores perfumadas, depois as murchas num jarro amarelado pelo tempo.
    O som invade a casa, passeia pelos cantos e revolve saudades e lembranças tantas,
    que uma névoa cobre os olhos e lagrimas descem como cachoeira, era amor sim.
    Belo trabalho poetisa Majo e inspirador.
    Beijos

    ResponderEliminar
  19. Tudo tem um tempo: um tempo para plantar e um tempo para colher o que se plantou, se bem que por vezes a colheita se faz a duras penas!
    Que se saiba valorizar as pequeninas coisas.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar

~~~~~~~ 💛 ESTIMADO LEITOR 💛 ~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~ Depois de colocar o seu comentário,
~~~~~~ aceda a «mensagem antiga»
~~~ e leia a que habitualmente lhe deixo.
~~~~~ ~ ~ ~ ~ Muito obrigada... ~ ~ ~ ~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~-~~~~~