DIREITOS DE AUTORIA

È proibida a reprodução, cedência, difusão , distribuiçã0, armazenagem ou modificação, total ou parcial, por qualquer forma ou meio eletrónico, mecânico ou fotográfico dos conteúdos aqui publicados, sem o autêntico consentimento prévio e expresso da autora. Excetuam-se desta interdição os usos autorizados pela legislação aplicável, nomeadamente o direito de citação, desde que claramente identificada a autoria e a origem, com link respetivo, prática usada neste espaço.
~~~~~~
*** Note que em poesia, o 'sujeito poético ou lírico' não tem que ser o 'sujeito autoral', mesmo que o texto expresse a 1ª pessoa do singular.***

Seguidores

terça-feira, 20 de outubro de 2020

... OS DIAS DE HOJE ...



. * . * . *. * . * . * .


 *******

 Perderam brilho, ardor e chama.

Decrescem os dias, aumenta a solitude,

a introspeção é convidada assídua,

já cansativa e impertinente.

Dos dias molhados escorrem nostalgias,

envolvidas em quimeras doces de esperança,

aspirando um porvir purificado, com mais amor,

 justiça, solidariedade e ternura.

*

Deseja-se  que a pungente situação seja extinta,

Vive-se esperando e protegendo a vida.

*

 Sonhos saltitantes, travessos, promissores,

chegam sem qualquer aviso,

semeiam jardins de encantos e alegrias,

embalados por sublimes sinfonias ou

serenatas dolentes e divinais

em auspiciosas vigílias que ornamos de estrelas.

Sonhos que iluminam o olhar, afagam a alma

 numa amenidade que perfuma os sentidos.

*

São eles que nos mantêm firmes e aprumados

na nossa resiliente e teimosa  valentia.

 *****

MajoDutra

Pintura de Andrei Belichenko

domingo, 11 de outubro de 2020

~~ UM MAR AZUL ~~


História de Um Amor,  solo de Richard Clayderman

)))))0(((((0)))))0(((((


))))).(((((

Em dias quentes, 

 por vezes, ainda sou surpreendida

pelo azul turquesa do mar reverberante

de um olhar profundo e sedutor,

aquele olhar primeiro,

singular, irrepetível, inolvidável,

que estremeceu o meu âmago.

).(

Nenhum anjo ou outro ser divinal

se apercebeu de tal alvoroço.

Com uma velocidade maior que a da luz,

apercebi-me de iminente perigo e,

para me proteger, 

vesti uma concha dura e fria

de falsa indiferença que me repôs em solo.

).(

 Que ingénuo esse embuste!

Acabei por mergulhar naquele mar azul

de profundos reflexos magnetizantes,

promissor de comoções, êxtases e delírios;

aquele olhar primeiro, 

singular, irrepetível, inolvidável

que estremeceu o meu âmago.

).(

Foi assim que vivi 

uma intensa e fremente paixão azul.

)).((

MajoDutra

Pintura de Vladimir Volegov