DIREITOS DE AUTORIA

È proibida a reprodução, cedência, difusão , distribuiçã0, armazenagem ou modificação, total ou parcial, por qualquer forma ou meio eletrónico, mecânico ou fotográfico dos conteúdos aqui publicados, sem o autêntico consentimento prévio e expresso da autora. Excetuam-se desta interdição os usos autorizados pela legislação aplicável, nomeadamente o direito de citação, desde que claramente identificada a autoria e a origem, com link respetivo, prática usada neste espaço.
~~~~~~
*** Note que em poesia, o 'sujeito poético ou lírico' não tem que ser o 'sujeito autoral', mesmo que o texto expresse a 1ª pessoa do singular.***

Seguidores

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

... CARPE DIEM ...





 Caía uma chuva
outonal numa tarde de sábado.
Eis que já passeava pela baixa,
nunca as luzes me agradaram tanto!
Um músico tocava nas arcadas,
percorri passeios, admirei nas lojas
a ordem, beleza e criatividade,
deleitou-me os doces aromas
a tecidos, livros e papel.
~ º ~
Caía uma chuva
contínua na cidade molhada
de infinitos espelhos refulgente,
nunca as luzes me agradaram tanto!
E numa cafetaria esplendorosa
fragrante, apetitosa, animada,
encontrei pessoas amigas
com quem fiz uma festa.
~ º ~
Caía uma chuva
outonal, fina, fria, persistente...
O centro histórico tocou-me como paraíso,
nunca as luzes me agradaram tanto! 
Carpe Diem!
~ ººººº ~
 MajoDutra
 Pintura de Guy Dessapt

domingo, 24 de novembro de 2019

.~~ VENDAVAL ~~



 A tempestade de Vivaldi



~~~~~~~~

Deleita o mar calmo, a sua pureza,

A margem areada que se preza;

Quando brando serena num ninar

Que tem todo o poder de relaxar

*

Apaziguando simples nostalgias. 

Infinitos azuis, sublimes dias,

Maresia aromática e tocante.

Porém, se vento forte o leva avante,

 * 

Fero, desesperado, ele protesta,

Os amigos afasta, acaba a festa,

Ruge e tudo revolve embravecido.

*

Temível temporal, atroz bramido!

As gaivotas em terra aguardam vez,

Nós olhamos chocados tal rudez!

 * * * * *
MajoDutra 
Pintura de Ivan Aivazovsky
Soneto

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

O TEU SORRISO



 =*=*=*=*=*=*=*=


~~ O TEU SORRISO ~~
 
Próxima               Querida   
maravilha que gosto de admirar
e que enternece e afaga o meu peito
Guarda segredo de nossas mil carícias
tem certo encanto que me faz vibrar
É agua fresca que lava minha alma
aconchego brandura satisfação
e sensualidade desejo deleite
cumplicidade doce censura
animação amorosidade
Da minha vida o
real sol
***
  MajoDutra


Pintura de John MakWhirter

sexta-feira, 15 de novembro de 2019

... AQUELE BEIJO ...



 ((((((((((o))))))))))



)))))))))o((((((((((


Aquele beijo

era pura emoção

tinha o desejo tremente

de todos os sonhos e delírios

a sede a falta a solidão

o silêncio profundo

dos mais áridos

ermos

.*.*.*.*.*.*.*.*.

MajoDutra
Pintura de Nicoletta Tomas

terça-feira, 12 de novembro de 2019

... BELEZA OUTONAL ...



 ( ( ( ( () () () ) ) ) )
 Para decorar
a minha mesa de jantar
para que fique bem agradável
para que fique bem convidativa
gosto de compor um centro de mesa,
no género de natureza morta,
ainda viva.
Caravaggio a três dimensões?!
Tento.
( () )
No outono,
reúno folhas bonitas já coloridas que
coloco numa faiança circular bem larga
e, com a ajuda divina de Pomona,
disponho quivis, maçãs, romãs, peras,
alguns dióspiros e uns marmelos,
alguns ouriços com castanhas,
algumas amêndoas e avelãs,
nozes, umas bolotas e mais folhas,
combinando, realçando as cores.
Miro, troco, ajeito, remiro,
espalho artisticamente
 rubros medronhos
e por fim, pouso
com delicadeza os fisális,
como borboletas.
Arte de Josefa de Óbidos?!
Tento.
(  () )
No final,
admiro a beleza outonal,
em contentamento.
(  () () ) ) 
MajoDutra
Pintura de Caravaggio
Na parte superior, Severin Roensen

sexta-feira, 8 de novembro de 2019

~~ EMANUEL ~~


 
           Emanuel não é apenas jardineiro,  também é poeta.  Já foi professor,  mas  não
   dispunha de tempo nem de tranquilidade para escrever. Cuida de flores com poesia
   porque ama seres belos e  delicados e com esse mister provê o seu sustento material
   e espiritualTem mãos calejadas, mas uma biblioteca do tamanho dos seus sonhos.
   O seu jardim tem mais charme  e  está mais acolhedor desde que a elegante  e  altiva
   senhora passa nele horas com o seu filho, sentada a ler.  Tem-se esmerado  a  fim de
   dar um ar requintado e poético a todos os recantos decorados.
   Apaixonou-se! Não é uma paixão qualquer, sente que é daqueles amores profundos
   que perdurará até o último alento de sua vida.
   Cumprimenta-o respeitosamente, porém, presume que não  mais o olha. Conhece-a
   bem pelo modo especial com que trata e acarinha o filho. Percebe que prefere o seu
   jardim  porque se sente bem com a segurança da sua presença  e  porque o menino
   aprecia conversar alegremente consigo.
   Como gostaria de entrar em desvario  e  espalhar por todo o jardim mil poemas  de
   puro amor e intensa paixão, mas não tem ousadia para tal loucura.
   Emanuel pensa que só,  mesmo,  um milagre os poderá unir.
   Entretanto,  ela chega diariamente,  com bom tempo e cada vez mais o seu sangue
   se inebria, o seu coração dispara e seus olhos se humedecem de emoção.
   Terá  que  selecionar  os  seus mais belos e conseguidos poemas,  textos  e  contos,
   a fim de editar o seu primeiro livro.
   Tem a certeza que paixão e amor  lhe darão força e coragem para lhe ofertar um.

                     MajoDutra
     
        Pintura de Vladimir Volegov

   Conto     

sexta-feira, 1 de novembro de 2019

EM LOUVOR DO LAR


          

    
                                 
De ninho nupcial, paixão e alegria
Tornou-se um infantário terno e doce,
Em espanto encantado o lar formou-se,
A família em  rebentos florescia.

*

Templo de assimilar sabedoria,
De animadas e alegres festas, doce
Desejo que o passado sempre fosse
Evocado pela fotografia.

*

Núcleo onde a união é forte e segura.
Porto protetor, âncora querida,
Mundo nosso de amor, paz, ventura.

*

Recordações de risos e alguns choros,
Quimeras, sonhos, laços de uma vida.
Cofre dos mais preciosos tesouros.

 ******

 MajoDutra
Pintura de Paul Keysar